Motivação como anda a sua?

25/06/2020

Entrevista concedida ao Jornal Estado de São paulo e publicada em meio físico e virtual em 20 de junho de 2020 

Estudar, trabalhar e buscar aprendizado constante sempre fizeram parte da rotina do advogado Maurício Maluf Barella, de 42 anos. Especializado na área de imóveis, ele também está terminando a faculdade de psicologia. E ainda se inscreve em cursos paralelos, lê livros, escreve resenhas para o blog que mantém, se exercita. Além de dar atenção à família, claro. De onde vem tanta empolgação, que faz o dia de pessoas como ele parecer ter 48 horas? E como esses supermotivados estão neste período de pandemia? Para especialistas, a principal chave para esse ânimo redobrado é desenvolver o autoconhecimento para descobrir atividades que tragam felicidade. Força de vontade, proatividade e otimismo também ajudam. "Faz parte da minha constituição, meus irmãos também são assim. É incentivo, criação, questionar, buscar respostas e entender as coisas", diz Barella. Ele fala que não consegue dormir enquanto não tem a resposta para suas dúvidas. "Estamos vivendo a Era da Informação. Eu não aceito o que me falam sem entender de onde veio. Estudo para ir pra frente." O advogado conta ainda que considera importante desenvolver o autoconhecimento para manter a motivação. "É achar uma atividade que seja prazerosa, estimulante. E parar um tempo do dia para fazer", sugere. Ele ainda tem como meta ser útil e ajudar outras pessoas, para que elas sejam melhores por elas mesmas. Os depoimentos de Barella revelam vários tipos de motivações. Sim, no plural, como explicam especialistas. Cesar Bullara, diretor e professor do departamento de gestão de pessoas e professor de ética nos negócios no ISE Business School, cita três tipos: intrínsecas, extrínsecas e transcendentes. "Os estímulos nos chegam e provocam impactos de formas diferentes. Falar de motivação é falar de aspectos muito profundos do ser humano", afirma Bullara. "Algo que vem de fora é a motivação extrínseca, que estimula a fazer algo pelo qual você está sendo cobrado, exigido, que é necessário. Um exemplo disso é o trabalho, que traz um benefício econômico." Já a motivação intrínseca, segundo ele, tem a ver com o autoconhecimento. "Vem de dentro da pessoa. Se você gosta do que faz, o trabalho em si é uma razão de motivação", exemplifica. A transcendente, por sua vez, está ligada ao impacto positivo que você pode ter nos outros. "Ocorre quando a pessoa sente que aquilo que faz tem um propósito, indo além de si mesma." MARCOS MÜLLER/ESTADÃO O advogado Maurício Maluf Barella mantém rotina atarefada mesmo durante pandemia ARQUIVO PESSOAL Falar de motivação é falar de aspectos muito profundos do ser humano" Cesar Bullara diretor de departamento e professor no ISE Business School " A forma intrínseca aparece quando o advogado Barella fala que tem como meta ser útil. "É atingir pessoas e mostrar para elas que é possível", afirma. "O segredo é ter esperança. O meu otimismo também me move a sempre querer achar um lado positivo das coisas." A psicóloga Priscila Yara Haddad, que trabalha com mapeamento e desenvolvimento humano, acrescenta que este tipo de motivação é fácil de identificar. "Há uma administração de emoções. E a pessoa não perde o objetivo", explica. "Existe a vontade de fazer e de ser o seu melhor. A proatividade e o otimismo estão ligados à motivação, isso está relacionado com a inteligência emocional."